sábado, 21 de agosto de 2010

Juristas criticam mudanças na partilha dos royalties do pré-sal, mas governo não vê problemas

Fonte: Agência Brasil
Data: 20/08/2010 16:07

A divisão dos royalties da produção de petróleo do pré-sal entre estados produtores e não-produtores foi o centro dos debates do 1º Seminário Brasileiro de Pré-Sal, promovido pelo Ministério de Minas e Energia. Foi discutida a constitucionalidade da Emenda Ibsen/Simon, que privilegia estados não-produtores na partilha dos royalties.


“Se esta emenda for aprovada pelo Congresso Nacional, ela deverá ser vetada pelo presidente da República. Mas, se for sancionada, tem que ser declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal”, disse o conselheiro federal da Ordem dos Advogados do Brasil Cláudio Pereira de Souza Neto. A mesma opinião teve o procurador-geral do Espírito Santo, Rodrigo Rabello Vieira.


A emenda em discussão no Congresso, segundo Souza Neto, viola o pacto federativo brasileiro ao estender aos estados não-produtores a divisão dos lucros da venda do petróleo extraído na área do pré-sal. O argumento é de que os royalties estão consagrados no texto da Constituição de 1988 como forma de compensação pelas perdas decorrentes do não recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Assim como ocorre com a energia elétrica, o ICMS sobre petróleo é recolhido pelo estado de destino, ao contrário dos demais produtos, que são taxados na origem.


Souza Neto acrescentou que quem ganha com o que classificou de “tratamento desigual” na arrecadação do ICMS “é o estado mais poderoso da Federação, São Paulo”. Como os royalties estão previstos no parágrafo 1º do artigo 20 da Constituição Federal, ele considera a Emenda Ibsen/Simon uma violação do texto constitucional. Souza Neto disse que a emenda também viola os princípios constitucionais da isonomia, porque trata igualmente estados e municípios que estão em posições diferentes, e ainda cria insegurança jurídica, pois pode alterar contratos já em vigor.


“Isso não quer dizer que os royalties não possam ser distribuídos de outra maneira. É claro que a perspectiva de a exploração de petróleo se tornar mais rentável no país demanda alterações na legislação e os percentuais poderiam ser discutidos, mas a Emenda Ibsen/Simon simplesmente extingue os royalties e não reconhece a estados produtores qualquer direito à compensação financeira”, disse o conselheiro da OAB.


Para o procurador-geral do Espírito Santo, Rodrigo Rabello Vieira, se a emenda for aprovada, a Bahia, que produz apenas 1% do petróleo nacional, ficaria com 8,5% dos lucros, enquanto Rio de Janeiro e Espírito Santo teriam direito a apenas 4%.


A consultora jurídica do Ministério de Minas e Energia (MME) e natural da Bahia - um dos estados que seriam beneficiados pela Emenda Ibsen/Simon -, Daniela Marques, rebateu as duas opiniões. Para ela, embora os royalties estejam realmente consagrados na Constituição, nada impede que a situação seja modificada por uma emenda constitucional ou mesmo pela legislação comum.

terça-feira, 13 de julho de 2010

BP reza para que novo dispositivo ponha fim à maré negra

NOVA ORLEANS, EUA — A petroleira britânica British Petroleum submete a um teste, nesta terça-feira, um enorme dispositivo semelhante a um funil, para ver se ele é capaz de conter o vazamento de um poço danificado no Golfo do México, rezando para que chegue ao fim o pesadelo de 13 semanas.

Importantes sondagens sísmicas são realizadas depois que robôs submarinos conseguiram baixar o funil de 10 metros de altura, acima do poço danificado, na noite de segunda-feira.

No 85º dia da pior catástrofe ambiental dos Estados Unidos, engenheiros estavam prestes a iniciar uma série de testes de pressão e integridade por volta do meio-dia local (14h00 de Brasília) para ver se o dispositivo gigante, de 75 toneladas, de fato está conseguindo conter o vazamento.

Os testes vão durar entre 6 e 48 horas, já que três saídas diferentes do poço estão sendo fechadas lentamente e leituras de pressão, cuidadosamente tomadas.

A BP "não poderia estar mais orgulhosa da equipe que instalou o dispositivo de vedação. Correu tudo bem e as pessoas sentem-se realmente otimistas quanto a isso", disse o vice-presidente sênior da BP, Kent Wells, aos jornalistas.

Agora, em operações complexas realizadas a 1.600 metros de profundidade, a BP vai começar a desligar as válvulas do dispositivo, monitorando a pressão. Uma leitura de alta pressão demonstrará que não há novos vazamentos. Baixa pressão, ao contrário, indicaria que o petróleo estaria vazando para o mar do Golfo de outro ponto do poço, bem abaixo do leito marinho.

"Todo mundo espera e reza para que tenhamos altas pressões aqui", resumiu Wells.

O almirante da Guarda Costeira Thad Allen, encarregado da resposta americana ao desastre, disse que "a grande dúvida" é o estado do buraco do poço, que se estende por quatro quilômetros abaixo do leito marinho.

"Não sabemos o que aconteceu com o buraco no momento da explosão e dos eventos que se seguiram imediatamente", explicou Allen à imprensa. "Eu não acho que vamos saber até fazermos as leituras de pressão e vermos aonde esta informação nos leva", acrescentou.

Os testes foram projetados para avaliar se o dispositivo poderá suportar a pressão em seu interior provocada pelo petróleo que sobe do reservatório submarino.

"Neste exercício, a alta pressão é boa", disse Allen. "Temos um volume considerável de pressão dentro do reservatório".

"Consideramos entre 8.000 e 9.000 psi (nr: medida de pressão), o que indicaria que os hidrocarbonetos estão sendo forçados para cima e que o poço pode suportar esta pressão", acrescentou.

Esta seria uma boa notícia para os moradores do Golfo, que viram o equivalente a 35.000-60.000 barris de petróleo vazar no mar diariamente desde que uma explosão, em abril, destruiu a plataforma Deep Horizon, da BP, em frente à costa da Luisiana.

Na pior catástrofe ambiental dos Estados Unidos, bolas de alcatrão e manchas de petróleo foram encontradas nos cinco estados americanos do Golfo, do Texas à Flórida, provocando a suspensão da pesca e afugentando os turistas.

"Espera-se, embora não possamos ter certeza, que nenhum petróleo seja liberado no mar durante o teste", informou a BP na segunda-feira, acrescentando, no entanto, que isto não indicaria que o vazamento foi interrompido permanentemente.

A Agência Internacional de Energia estimou nesta terça-feira que de 2,3 a 4,5 milhões de barris de petróleo vazaram no mar desde o naufrágio da plataforma, em 22 de abril, dois dias depois da explosão que matou 11 trabalhadores.

Segundo fontes oficiais, mesmo se o novo funil não conseguir selar o poço, a capacidade do sistema será suficiente para capturar todo o petróleo que vazou para o mar.

A BP também continua a perfurar dois poços secundários para interceptar e selar permanentemente o poço danificado.

Apesar do tudo-ou-nada em jogo no Golfo, houve pouco otimismo na audiência da comissão presidencial sobre as causas da tragédia.

"Mesmo se a BP tapar este poço amanhã, eles causaram um dano tão grande ao Golfo que este será um estranho prêmio de consolação", disse Darwin Bond Graham, sociólogo que estuda como Nova Orleans se recuperou do furacão Katrina.

13 de Julho de 2010.

fonte:

O Pré sal...

Olá leitores, como e um pedido de todos no blog, irei postar sobre o pre sal. E como já é de costume, postarei o que é esse pré sal e depois colocarei noticias atuais sobre ele. Espero que gostem.

A camada pré-sal refere-se a um conjunto de reservatórios mais antigos que a camada de sal, principalmente halita e anidrita. Esses reservatórios podem ser encontrados do Nordeste ao Sul do Brasil (onshore e offshore) e de uma forma similar no Golfo do México e na costa Oeste africana. A área que tem recebido destaque é o trecho que se estende do Norte da Bacia de Campos ao Sul da Bacia de Santos desde o Alto Vitória até o Alto de Florianópolis respectivamente. A espessura da camada de sal na porção centro-sul da Bacia de Santos chega a 2.000 metros, enquanto na porção norte da bacia de Campo está em torno de 200 metros. Este sal foi depositado durante o processo de abertura do oceano Atlântico, após a quebra do Gondwana (Antigo Supercontinente formado pelas Américas e África, que foi seguido do afastamento da América do Sul e da África, iniciado a cerca de 120 milhões de anos). As camadas mais recentes de sal foram depositadas durante a última fase de mar raso e de clima semi-árido/árido(1 a 7 M.a.).


Primeiras descobertas


Nas rochas da camada pré-sal existentes no mundo, a primeira descoberta de reserva petrolífera ocorreu no litoral brasileiro, que passou a ser conhecida simplesmente como "petróleo do pré-sal" ou "pré-sal". Estas também são as maiores reservas conhecidas em zonas da faixa pré-sal até o momento identificadas.

Depois do anúncio da descoberta de reservas na escala de dezenas de bilhões de barris, em todo o mundo começaram processos de exploração em busca de petróleo abaixo das rochas de sal nas camadas profundas do subsolo marinho. Atualmente as principais áreas de exploração petrolífera com reservas potenciais ou prováveis já identificadas na faixa pré-sal estão no litoral do Atlântico Sul. Na porção sul-americana está a grande reserva do pré-sal no litoral do Brasil, enquanto, no lado africano, existem áreas pré-sal em processo de exploração (em busca de petróleo) e mapeamento de reservas possíveis no Congo (Brazzaville)e no Gabão. Além do Atlântico Sul, especificamente nas áreas atlânticas da América do Sul e da África, também existem camadas de rochas pré-sal sendo mapeadas à procura de petróleo no Golfo do México e no Mar Cáspio, na zona marítima pertencente ao Cazaquistão. Nestes casos, foram a ousadia e o trabalho envolvendo geração de novas tecnologias de exploração, desenvolvidas pela Petrobras, que acabaram sendo copiadas ou adaptadas e vêm sendo utilizadas por multinacionais para procurar petróleo em camadas do tipo pré-sal em formações geológicas parecidas em outros locais do mundo. Algumas das multinacionais petrolíferas que estão procurando petróleo em camadas do tipo pré-sal no mundo aprenderam diretamente com a Petrobras, nos campos que exploram como sócias da Petrobras no Brasil.

O pré-sal brasileiro

Plataforma P-52, que extrai petróleo do campo de Roncador, inclusive da camada pré-sal

As reservas de petróleo encontradas na camada pré-sal do litoral brasileiro estão dentro da área marítima considerada zona econômica exclusiva do Brasil. São reservas com petróleo considerado de média a alta qualidade, segundo a escala API. O conjunto de campos petrolíferos do pré-sal se estende entre o litoral dos estados do Espírito Santo até Santa Catarina, com profundidades que variam de 1000 a 2000 metros de lâmina d'água e entre quatro e seis mil metros de profundidade no subsolo, chegando portanto a até 8000m da superfície do mar, incluindo uma camada que varia de 200 a 2000m de sal.


O geólogo e ex-funcionário da Petrobras Márcio Rocha Mello acredita que o pré-sal pode ser bem maior do que os 800 quilômetros já identificados, estendendo-se de Santa Catarina até o Ceará.

Apenas com a descoberta dos três primeiros campos do pré-sal, Tupi, Iara e Parque das Baleias, as reservas brasileiras comprovadas, que eram de 14 bilhões de barris, aumentaram para 33 bilhões de barris. Além destas existem reservas possíveis e prováveis de 50 a 100 bilhões de barris.

A descoberta do petróleo nas camadas de rochas localizadas abaixo das camadas de sal só foi possível devido ao desenvolvimento de novas tecnologias como a sísmica 3D e sísmica 4D, de exploração oceanográfica, mas também de técnicas avançadas de perfuração do leito marinho, sob até 2 km de lâmina d'água.

O pré-sal está localizado além da área considerada como mar territorial brasileiro, no Atlântico Sul, mas dentro da região considerada Zona Econômica Exclusiva (ZEE) do Brasil. É possível que novas reservas do pré-sal sejam encontradas ainda mais distantes do litoral brasileiro, fora da ZEE, mas ainda na área da plataforma continental, o que permitiria ao Brasil reivindicar exclusividade sobre futuras novas áreas próximas. Vale lembrar que alguns países nunca assinaram a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, e alguns dos que o fizeram não ratificaram o tratado.

A extração de petróleo da camada Pré-Sal

A descoberta de indícios de petróleo no pré-sal foi anunciada pela Petrobras em 2006. A existência de petróleo na camada pré-sal em todo o campo que viria a ser conhecido como pré-sal foi anunciada pelo ex-diretor da ANP e posteriormente confirmada pela Petrobras em 2007. Em 2008 a Petrobras confirmou a descoberta de óleo leve na camada sub-sal e extraiu pela primeira vez petróleo do pré-sal.

Em setembro de 2008, a Petrobras começou a prospectar petróleo da camada pré-sal em quantidade reduzida. Esta exploração inicial ocorre no Campo de Jubarte (Bacia de Campos), através da plataforma P-34. A Petrobras afirma já possuir tecnologia suficiente para extrair o óleo da camada. O objetivo da empresa é desenvolver novas tecnologias que possibilitem maior rentabilidade, principalmente nas áreas mais profundas.
Um problema a ser enfrentado pelo país diz respeito ao ritmo de extração de petróleo e o destino desta riqueza. Se o Brasil extrair todo o petróleo muito rapidamente, este pode se esgotar em apenas uma geração. Se o país se tornar um grande exportador de petróleo bruto, isto pode provocar a sobrevalorização do câmbio, dificultando as exportações e facilitando as importações; fenômeno conhecido como "mal holandês", que pode resultar no enfraquecimento de outros setores produtivos como a indústria e agricultura.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Opep- Organização dos Países Exportadores de Petróleo

Olá leitores de plantão, a pedido de um fiel seguidor postarei sobre a opep, cujo o principal objtivo é unificar a política petrolífera dos países membros, centralizando a administração da actividade, o que inclui um controle de preços e do volume de produção, estabelecendo pressões no mercado.
Foi criada em 14 de Setembro de 1960 como uma forma dos países produtores de petróleo se fortalecerem frente às empresas compradoras do produto, em sua grande maioria pertencentes aos Estados Unidos, Inglaterra e Países Baixos, que exigiam cada vez mais uma redução maior nos preços do petróleo.
Sede da Opep em Viena
Guerra do Yom Kippur
A persistência do Conflito israelo-árabe forçou a OPEP a tomar atitudes drásticas. Logo após a Guerra dos Seis Dias em 1967, os membros árabes da OPEP fundaram a Organização dos Países Árabes Exportadores de Petróleo com o propósito de centralizar a política de actuação e exercer pressão no Ocidente, que apoiava Israel. O Egito e a Síria, embora não fossem países exportadores usuais de petróleo, passaram a fazer parte da nova organização. Em 1973, a Guerra do Yom Kippur alarmou a opinião pública árabe. Furiosos com o facto de que o fornecimento de petróleo havia permitido que Israel resistisse às forças egípcias e sírias, o mundo árabe impôs um embargo contra Estados Unidos, Europa Ocidental e Japão.

O conflito israelo-árabe provocou uma crise. Os membros da OPEP pararam de exportar petróleo para o Ocidente, fazendo com que tivessem que reduzir os gastos anuais com energia, aumentar os preços, e ainda vender mercadorias com preço inflacionado para os países do Terceiro Mundo produtores de petróleo. Isto foi agravado pelo Xá do Irã Reza Palhevi , que era o segundo maior exportador de petróleo mundial e aliado mais próximo dos Estados Unidos na época. É claro que [o preço do petróleo] vai aumentar, disse ele ao New York Times em 1973. Certamente, e como...; Vocês [países do Ocidente] aumentaram o preço do trigo vendido a nós em 300%, o mesmo ocorreu com o açúcar e com o cimento...; Vocês compram nosso petróleo bruto e nos vendem ele de volta beneficiado na forma de produtos petroquimícos, por uma centena de vezes o preço que vocês o compraram...; Seria no mínimo justo que, daqui para frente, vocês paguem mais pelo petróleo. Poderíamos dizer umas 10 vezes mais.

Os países membros possuem 78% (OPEP, 2004) das reservas mundiais de petróleo. Suprem 40% da produção mundial e 60% das exportações mundiais. Graças à OPEP, os países são os mais bem pagos pelo seu petróleo. Em 2004, as reservas de petróleo existentes que pertencem aos membros são calculadas em 896000 milhões de barris[carece de fontes?]. As reservas mundiais são calculadas em 1144000 milhões de barris.

A organização tem agora 12 países membros. Estão listados abaixo, com as datas da sua entrada na organização:.

Membros atuais


África

* Angola (Janeiro 2007)
* Argélia (Julho 1969)
* Líbia (Dezembro 1962)
* Nigéria (Julho 1971)

América do Sul

* Venezuela (Setembro 1960)
* Equador (de 1973 até 1992, retornou como membro em dezembro de 2007)

Oriente Médio

* Arábia Saudita (Setembro 1960)
* Emirados Árabes Unidos (Novembro 1967)
* Irã (Setembro 1960)
* Iraque (Setembro 1960)
* Kuwait (Setembro 1960)
* Qatar (Dezembro 1961)

Ex-Membros

* Gabão (de 1975 a 1994)
* Indonésia (de 1962 a 2009)


• Equador suspendeu a sua adesão em Dezembro de 1992 e reativou em Dezembro de 2007.
• Gabão, que se tornou membro de pleno direito em 1975, terminou à sua adesão, com efeitos a partir de 1° de janeiro de 1995.
• Indonésia, que se tornou membro de pleno direito em 1962, suspendeu a sua adesão em Dezembro de 2008.

Embora sete dos doze membros e ex-membros da OPEP sejam nações árabes, a língua oficial da organização é a inglesa.


http://pt.wikipedia.org/wiki/Organiza%C3%A7%C3%A3o_dos_Pa%C3%ADses_Exportadores_de_Petr%C3%B3leo

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Maiorees Reservas no Brassil !


Brasil terá uma das maiores reservas de petróleo no mundo
Nova jazida descoberta na Bacia de Santos inclui o Brasil entre os dez maiores países produtores
Brasil , Brasília - Agência Brasil

Brasília - O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli. Foto: Antonio Cruz/ABr
Japoneses e Petrobras serão sócios no “Canal do Sertão”
Petrobras iniciará produção de álcool em 2009
Petrobras comprará controle de refinaria no Japão
O presidente da Petrobras, Sergio Gabrielli, estimou que a jazida de petróleo e gás natural descoberta pela estatal na Bacia de Santos incluirá o Brasil entre os dez maiores países produtores. Segundo ele, as reservas, estimadas entre 5 bilhões e 8 bilhões de barris, permitirão ao país conquistar a oitava ou nona posição.
O volume anunciado hoje (8, no Brasil) no Campo de Tupi, disse Gabrielli, fará com que o Brasil passe a ter reservas equivalentes às da Nigéria e da Venezuela. Com 14,4 bilhões de barris em reservas atuais de petróleo e gás natural, o Brasil está, segundo ele, em 24º lugar entre os países produtores. "É uma notícia extremamente auspiciosa", avaliou.
De acordo com o diretor de Exploração e Produto da Petrobras, Guilherme Estrela, o Campo de Tupi pode começar a operar comercialmente em até seis anos. Em 2011, no entanto, a extração começará em caráter de teste, com a produção de 100 mil barris de óleo e gás diários.
A área da nova reserva na Bacia de Santos atualmente conta com 15 poços exploratórios que exigiram investimentos de US$ 1 bilhão nos últimos dois anos. Para chegar a esses poços, a estatal perfurou 2 mil metros de sal por mais de um ano. Somente o primeiro poço custou US$ 240 milhões.
Para Gabrielli, no entanto, as reservas podem ser ainda maiores. Ele afirmou que a extração de petróleo e gás entre 5 mil e 7 mil metros de profundidade, na mesma camada onde foi descoberta a jazida no Campo de Tupi, pode acrescentar de 70 bilhões a 107 bilhões de barris dos produtos às reservas brasileiras. Para isso, a companhia tem de intensificar a extração nessa profundidade do litoral do Espírito Santo ao de Santa Catarina.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

O petróleo em nossa vida

Veja no vídeo a importância do petróleo em nossa vida.
video

terça-feira, 6 de julho de 2010

História do Petróleo no Brasil


Quando falamos sobre o petróleo, muitas pessoas têm a errônea impressão de que essa substância somente apareceu na história com o advento da Revolução Industrial. Contudo, desde a Antiguidade, temos relatos que nos contam sobre a existência desse material em algumas civilizações. Os egípcios utilizavam esse material para embalsamar os seus mortos, já entre os povos pré-colombianos esse mesmo produto era pioneiramente empregado na pavimentação de estradas.

No Brasil, a existência do petróleo já era computada durante os tempos do regime imperial. Nessa época, o Marquês de Olinda cedeu o direito a José Barros de Pimentel de realizar a extração de betume nas margens do rio Marau, na Bahia. Até as primeiras décadas do século XX, alguns estudiosos e exploradores anônimos tentaram perfurar alguns poços de petróleo sem obter êxito. Contudo, em 1930, o engenheiro agrônomo Manoel Inácio de Basto mudou essa situação.

Com base no relato de populares, ele teve a informação de que os moradores de Lobato, bairro suburbano de Salvador, utilizavam uma “lama preta” como combustível de suas lamparinas. Instigado por tal notícia, realizou testes e experimentos que atestavam a existência de petróleo nessa localidade. Contudo, não possuía contatos influentes que poderiam investir em sua descoberta. Persistente, em 1932 conseguiu entregar ao presidente Getúlio Vargas um laudo técnico que atestava o seu achado.

Nessa mesma década, a descoberta de importante riqueza foi cercada por uma série de medidas institucionais do governo brasileiro. Em 1938, a discussão sobre o uso e a exploração dos recursos do subsolo brasileiro viabilizou a criação do CNP - Conselho Nacional do Petróleo. Em suas primeiras ações, o conselho determinou várias diretrizes com respeito ao petróleo e determinou que as jazidas pertencessem à União. No ano seguinte, o primeiro poço de petróleo foi encontrado no bairro de Lobato.

Logo em seguida, novas prospecções governamentais saíram em busca de outros campos de petróleo ao longo do território brasileiro. No ano de 1941, o governo brasileiro anunciou o estabelecimento do campo de exploração petrolífera de Candeias, Bahia. Apesar das descobertas em pequena escala, o surgimento dessa nova riqueza incentivou, em 1953, a oficialização do monopólio estatal sobre a atividade petrolífera e a criação da empresa estatal “Petróleo Brasileiro S.A.”, mais conhecida como Petrobrás.

Na década de 1960, novas medidas ampliaram o grau de atuação da Petrobrás na economia brasileira. No ano de 1968, a empresa passou a desenvolver um projeto de extração iniciando a exploração de petróleo em águas profundas. Após as primeiras descobertas na cidade sergipana de Guaricema, outras prospecções ampliaram significativamente a produção petrolífera brasileira. Em 1974, ocorreu a descoberta de poços na Bacia de Campos, a maior reserva de petróleo do país.

Com o passar do tempo, o Brasil se tornou uma das únicas nações a dominar a tecnologia de exploração petrolífera em águas profundas e ultraprofundas. Em 1997, durante o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, uma lei aprovou a extinção do monopólio estatal sobre a exploração petrolífera e permitiu que empresas do setor privado também pudessem competir na atividade. Tal medida visava ampliar as possibilidades de uso dessa riqueza.

Em 2003, a descoberta de outras bacias estabeleceu um novo período da atividade petrolífera no Brasil. A capacidade de produção de petróleo passou a suprir mais de 90% da demanda por esta fonte de energia e seus derivados no país. Em 2006, esse volume de produção atingiu patamares ainda mais elevados e conseguiu superar, pela primeira vez, o valor da demanda total da nossa economia. A conquista da autossuficiência permitiu o desenvolvimento da economia e o aumento das vagas de emprego.

No ano de 2007, o governo brasileiro anunciou a descoberta de um novo campo de exploração petrolífera na chamada camada pré-sal. Essas reservas de petróleo são encontradas a sete mil metros de profundidade e apresentam imensos poços de petróleo em excelente estado de conservação. Se as estimativas estiverem corretas, essa nova frente de exploração será capaz de dobrar o volume de produção de óleo e gás combustível do Brasil.

A descoberta do pré-sal ainda instiga várias indagações que somente serão respondidas na medida em que esse novo campo de exploração for devidamente conhecido. Até lá, espera-se que o governo brasileiro tenha condições de traçar as políticas que definam a exploração dessa nova fonte de energia. Enquanto isso, são várias as especulações sobre como a exploração da camada pré-sal poderá modificar a economia e a sociedade brasileira.